Home / Bolívia / Bolívia : arqueologia e história no passeio a Tiwanaku

Bolívia : arqueologia e história no passeio a Tiwanaku

 No terceiro dia em La Paz finalmente a brincadeira começou, pois tenho interesse particular em sítios arqueológicos e a Bolívia é um prato cheio. Às 8h30 mais ou menos o guia apontou na recepção como combinado para irmos a Tiwanaku, principal resquício dessa civilização pré-inca. As ruínas ficam a 72 km de La Paz e a 10 km do Lago Titicaca. Cansativo, mas a paisagem é bonita.

Caminho para Tiwanacu
Caminho para Tiwanaku

Nosso guia  falava espanhol e inglês, isso me perturbou um pouco. Ele falava coisas em inglês que não falava em espanhol e vice-versa. Começava uma frase em uma língua e terminava em outra. A quantidade de gente na excursão, umas 20 ou mais, também impede de ter uma explicação decente. Enfim, não me estresso por isso, afinal sempre teremos o Google.

tiwanaku
Em meio às flores andinas, rumo à pirâmide de Akapana

Procurei ler as informações das placas, escutar o que podia e tirar minhas fotos. Por mais que seja complicado participar de excursão, não vale a pena ir sem guia. É preciso dar um sentido a tudo aquilo ali com as explicações.

Nossa primeira parada foi no Museu de Arqueologia, com peças pequenas, cerâmica, ferramentas etc encontrados a partir das escavações. Fotos não são permitidas. Depois fomos ao Museu Lítico, onde a única foto permitida é a do Monolito  Pachamama ou Bennett (nome do arqueólogo que o descobriu em 1933).  Tinha tanta gente em volta dele fazendo pose sexy pra sair na foto que acabei esquecendo de tirar a minha.

 

O Monolito Bennett tem 7,30 metros de altura. A maior das estátuas andinas. (Imagem do Fotopedia)
O Monolito Bennett tem 7,30 metros de altura. A maior das estátuas andinas.  Foi encontrado em 1933 em Tiwanaku, levado pra la Paz, onde enfeitava uma praça. Agora ele está de volta ao sítio arqueológico (Imagem do Fotopedia)

 A segunda parte da visita é ao ar livre, por isso é bom levar bastante protetor solar, água e chapéu. Fomos em direção ao templo Kalasasaya. O sol castiga. Falando nele, uma das paradas mais significativas é a Puerta del Sol – monumento mais importante do complexo Tiwanaku. Especula-se de que seja um calendário e a figura central, o Deus Viracocha.

A Puerta del Sol é o monumento mais importante do complexo Tiwanaku. Especula-se de que seja um calendário e a figura central o Deus Viracocha
Basicamente a sociedade Tiwanaku se desenvolveu entre 500 AC – 1000 DC e permanece um mistério, ainda não chegaram a conclusão sobre várias coisas. Alguns defendem que teria sido um império, outros que isso seria inviável pela extensão do território (encontram-se cerâmicas e ferramentas típicas dali em várias outras regiões da Bolívia, do Peru e do Chile).

Templo de Kalasasaya vista de cima da Pirámide de Akapana
Templo de Kalasasaya vista de cima da Pirâmide de Akapana

  Tudo indica que tinham uma sociedade complexa com agricultura, comércio e tecnologia capaz de construir as enormes edificações de pedra.

Muralhas de Kalasasaya
Muralhas de Kalasasaya

O que não se tem dúvida, no entanto, é da importância de Tiwanaku como centro religioso para essa civilização, considerada a mais antiga das Américas. Alguns estudos apontam que Tiwanaku pode ser o resquício mais antigo de uma uma civilização no planeta.

ponce
Monolito Ponce de 2 metros de altura. Ainda não chegaram a nenhuma conclusão sobre o porquê dos dedos invertidos de uma mão. O que se sabe é que um dos objetos que carregam é um típico vaso com substância alucinógena.

 

O monolito fraile é uma réplica de
Monolito El Fraile :  segura um vaso de inalação de rapé. Alguns estudiosos defendem que os inúmeros detalhes e símbolos como os caranguejos poderiam insinuar uma escrita. Oficialmente, os Tiwanaku eram povos sem escrita.

Já leu o livro “Eram os deuses Astronautas” (Erich von Däniken) ? Pois bem, alguns defendem essa linha, principalmente por causa das figuras encontradas com cara de alienígenas.   

tiwanacu - caras
“Eram os deuses astronautas?” Algumas das 175 esculturas de cabeças encontradas no templo subterrâneo. 

A entrada principal do templo é o ponto alto das fotos. Diz-se que há um alinhamento perfeito do templo de Kalasasaya fazendo com que, nos equinócios, o monolito Ponce receba iluminação direta do sol por meio da porta de entrada do templo.

templo de kalasasaya - tiwanaku
O monilito Ponce alinhado na entrada principal

Depois do almoço fomos à pirâmide Puma Punku, que ainda está sendo estudada com trabalhos de escavação.  A pirâmide está seriamente deteriorada e exige um exercício de imaginação para ver o local como um todo. 

bolivia 190

Puma Punku é outro grande mistério. Reconstruções feitas por arqueólogos dão conta de que se tratava de uma obra arquitetônica monumental, com um sistema de irrigação eficiente. Não se sabe como faziam pra movimentar blocos de até 130 toneladas. Ufólogos adoram especular sobre a criação de Puma Punku por extraterrestres.

puma punku
A pirâmide de Puma Punku exige um esforço de imaginação. Pouca coisa sobrou da obra mais suntuosa de Tiwanaku

Sobre a pergunta : vale a pena ? Posso dizer que Tiwanaku é extraordinário, mas pra quem se interessa pelo assunto. É um lugar mais de assimilação da história do que de contemplação porque muita coisa se deteriorou e não deu pra recuperar. Isso quer dizer que você não vai ter uma extraordinária experiência visual como se tem ao chegar em Machu Pichu, por exemplo. Algumas pessoas se decepcionam. Pra mim não tem problema, afinal  “O essencial é invisível aos olhos” (Saint-Exupéry, Le Petit Prince).

 

Passeio Tiwanaku 

Quanto custa ?

Varia, mas paguei 80 Bolivianos. Isso é bem barato pra uma excursão de dia inteiro.

35 Bolivianos de almoço sem bebida (o almoço é meio obrigatório, pois o ônibus para na frente do restaurante “étnico” e você não tem pra onde ir a não ser encarar o sol que é forte). Se serve de consolo ao pega-turista, a comida estava bem boa.

Onde comprar ?

Qualquer agência vende esse tour. Eu comprei no meu hotel como expliquei nos outros posts. É o mesmo esquema de sempre, não importa a agência onde você compre, eles vão te reagrupar em um só micro-ônibus.

Quanto tempo dura ?

O dia todo. Levar protetor solar e bastante água.

tiwanaku

Fontes : Arqueobolivia, Tiwanakuarcheo, Interactive Archaeology e comentários do guia no tour.

 

Leia também o artigo do João que visitou Tiwanaku no mesmo dia.

Sobre Nivea Atallah

Avatar
Jornalista de formação e mochileira por vocação.

6 comments

  1. Avatar

    Oi, Nivea. Muito bom o post, bem completo.
    Vou à Bolívia agora em outubro. E esse é um dos passeios que me programei pra fazer. Seu relato me fez confirmar que quero mesmo conhecer Tiwanaku.
    Valeu!
    Abraços.

  2. Avatar

    Nívea, mais uma vez, um excelente post. Interessante ver que mesmo fazendo a mesma viagem, algumas coisas que você aponta me passaram despercebidas. Um grande abraço!

  3. Avatar

    Oi, Nivea. Tudo bem? 🙂

    Seu post foi selecionado para a #Viajosfera, do Viaje na Viagem.
    Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Até mais,
    Natalie – Boia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *