Home / Peru / Por que eu visitei Machu Picchu sem guia?

Por que eu visitei Machu Picchu sem guia?

Sou entusiasta das visitas guiadas, mas contrariando todas as previsões e conselhos resolvi visitar Machu Picchu sem guia. Considero a decisão acertada pra mim, mas será que pra você também seria? Vou explicar a situação aqui nesse artigo e tire suas conclusões.

machu picchu sem guia
Fazer ou não fazer visita guiada em Machu Picchu? Eis a questão.

Antes de começar, vale lembrar que desde julho de 2017 foram implementadas novas regras de visitação em Machu Picchu. Além de escolher o turno de visitação (de manhã ou de tarde), seria obrigatório entrar com um guia. Eu visitei em outubro de 2017 e entrei normalmente no turno da manhã sem guia, sendo que não fiz as subidas de Huayna Picchu ou Montaña. Pode ser que isso mude, mas aqui só vou relatar minha experiência.

machu picchu
Optei fazer a visita de Machu Picchu sem guia. Leia o post pra entender meus motivos.

Em vários artigos aqui do blog eu defendo a importância dos guias quando são bem treinados e conhecem a história do local. Visitas arqueológicas podem ser frustrantes caso não tenha alguém pra conduzir sua experiência. Em quase todas minhas visitas pela viagem ao Peru contei com guias experientes capazes de transformar as ruínas e pedacinhos de pedras em histórias inesquecíveis. Para virar guia no Peru é preciso 3 anos de estudo, é um curso superior. Aqui no Brasil, por exemplo, são só 6 meses de curso profissionalizante. O guia que tive no city tour de Cusco foi sensacional, pelo Vale Sagrado também. Todas essas visitas fiz antes de chegar a Machu Picchu.

machu picchu
Estar sozinho em Machu Picchu é um momento raro que precisa ser aproveitado

Por qual motivo então decidi ir em Machu Picchu sem guia? Ora, ora, porque se eu for contar pra vocês, caros leitores, quantos documentários sobre Machu Picchu eu já vi no NatGeo, Discovery Channel, History e sobre o quanto já li sobre a cidade “perdida” vocês não iam acreditar. Tenho interesse particular em arqueologia, apesar de não trabalhar com nada relacionado. Pela ‘fama’ da cidade inca é claro que existem muito mais documentários sobre Machu Picchu do que de outras partes do Peru. Deixe-me estar cá em paz com a minha soberba e eu segui feliz sem guia por Machu Picchu.

machu pichu
Área baixa da cidade, optei por passear ali e fazer fotos antes da chegada da multidão

Qual foi a vantagem de ir sem guia? Consegui fugir da multidão e em alguns lugares até fiquei sozinha. Preciso ressaltar que a visita de Machu Picchu pra mim não teve nada de mágico. A quantidade de gente é assustadora e faz parte daquelas coisas que ninguém posta no Instagram. É possível se conectar com as forças espirituais dos deuses incas disputando espaço com outros turistas? Acho que não. Machu Picchu pra mim é um exemplo das consequências nefastas do turismo pra um lugar, mas isso não é o assunto do artigo.

No dia ‘D’ da viagem acordei pra batalha às 5:00 da manhã em Águas Calientes, tomei café, fiz check-out e peguei o ônibus pra Machu Picchu. A fila já era de alguns quilômetros, mas chegando na entrada do parque consegui entrar sem tumulto. Os guias ficam na porta oferecendo o serviço. Recusei e corri pra começar minha visita. Em vez de subir e fazer a foto clássica decidi ir pela parte baixa da cidade e em algumas partes até fiquei sozinha. Pude fazer fotos tranquilamente.

machu picchu
Andei bastante pela parte baixa, foram quase duas horas antes de decidir subir

De manhã a névoa é grande e decidi fazer a parte baixa primeiro. Não tinha ninguém, pois os guias levam todo mundo pro alto primeiro. Fiz fotos e esperei as nuvens sumirem pra fazer a parte alta, de onde se tira a fotinha clássica.

Depois segui pra a parte alta da cidade, onde já tinha bastante gente às 8:00 da manhã. Então decidi fazer o caminho de Inti Punku antes de ficar por ali. No caminho, algumas pessoas, mas também pude contemplar a paisagem em alguns momentos praticamente sem ninguém por perto.

machu picchi
A partir das 10:00 a ‘cidade perdida’ começa a ficar bem cheia

Caso eu estivesse com guia certamente ele não iria fazer as visitas nessa ordem. Além disso, o guia precisa dar explicações e você tem que ficar parado em alguns lugares por muito tempo. E, sinceramente, tempo em Machu Picchu é paz. Por volta de 10:00 a cidade inca já está praticamente lotada com fila indiana pra andar. Por volta de 11:00 quando já chegaram os trens que vêm de Cusco fazer o bate-volta, a cidade já tinha virado o Réveillon de Copacabana. Por volta do meio-dia eu já tinha visitado praticamente tudo. Voltei à parte baixa mais uma vez, bem lotada. Decidi então finalizar, descer e almoçar em Águas Calientes antes de pegar meu trem de volta a Cusco às 15:00.

No fim, valeu a pena ir sem guia? Pra mim sim, pois já li muito sobre Machu Picchu e decidi fazer uma visita meramente contemplativa. Não aconselho isso pra todo mundo porque o guia pode fazer diferença se o seu primeiro contato com a história do lugar vai se dar ali no local.

E vocês, o que pensam? Melhor com guia ou sem guia?

Sobre Nivea Atallah

Avatar
Jornalista de formação e mochileira por vocação.

3 comments

  1. Avatar

    Excelente guia, exatamente o que eu precisava. Muito obrigado por reservar um tempo para explicar a experiência em detalhes.

  2. Avatar

    Acho que o turismo em certos lugares fica tão alto de pessoas que perde o encanto.
    O comércio de guia e tão forte, que te tira a liberdade de ver e sentir por tuas próprias experiências.
    Fazer um passeio sem guia deveria ser opcional, não deveríamos ser obrigados a entrar com guia em lugar nenhum. Contratar guia somente se houver interesse.

  3. Avatar

    Oi Nivea! Parabéns pelo post, como você diz, se você tem conhecimento do assunto ou já foi a Machu Picchu pelo menos uma vez, não seria necessário ter um guia, porém é sempre bom já que você pode fazer perguntas, saber, conhecer um pouco mais.

    Parabéns pelo blog, um abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *